segunda-feira, 11 de junho de 2018

Pico da Bandeira

Tipo: Trekking
Local: Parque Nacional do Caparaó
Pontos visitados: Cachoeira do Vale Encantado e Pico da Bandeira 
Duração: 2 dias
Distância: 16 Km
Organização: Chico Trekking

Localizado na divisa dos Estados de Minas Gerais e Espirito Santo na cidade de Alto Caparaó, se encontra o parque nacional do Caparaó sob administração do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) a unidade de conservação abrande um território com cerca de 31,8 mil hectares onde 80% do parque se encontra em território Capixaba

O Pico da Bandeira e um dos picos localizados no parque nacional do Caparaó e e considerado o 3º mais alto do Brasil com seus 2.892 metros de altitude.

Dom Pedro II, no ano de 1859, ordenou que fosse fixado a bandeira do império em seu topo, fato que acabou batizando esse pico com o nome Pico da Bandeira.

Nossa pernada começou na madrugada de sábado (09/06/2018) como de costume, no terminal turístico JK localizado em Belo Horizonte onde nos encontramos com nosso guia Chico.

REGISTRO DA TRALHA


Embarcamos na Van e seguimos em direção a cidade de Alto Caparaó pela BR-262.
Foi uma viagem tranquila e chegamos por volta de 06:00 na cidade de Alto Caparaó onde em um dos restaurantes daquele pacato local nos serviu um delicioso cafe dá manha.

Apos a refeição tivemos um tempo para conhecer um pouco a cidade.


Igreja Adventista em Alto Caparaó


Finalmente seguimos para a portaria do parque, fizemos o check-in na portaria e nossa entrada logo foi liberada.

Fomos recepcionados pelos voluntários que trabalham no parque no setor de visitantes onde observamos à maquete do parque, tanto do lado Mineiro quanto do lado Capixaba, recebemos as recomendações necessárias de segurança para tornar nossa experiência no parque do Caparaó mais intuitiva e agradável e seguirmos para nosso local de acampamento no Tronqueira onde montamos nossas barracas.






Eu estava tremendo de frio, montei logo minha barraca e organizei de forma leviana a tralha e parei para descansar, fiz uma rápida varredura no local em busca de qualquer coisa que pudesse me perturbar, estava tudo uma maravilha!

Entrei na barraca e fiquei imaginando como seria essa experiencia de subir o 3º maior pico de Minas Gerais.

Resolvi procurar a turma e quando me dei conta eles tinham simplesmente desaparecido! 

A primeira coisa que eu pensei foi que eles tinham subido para o Terreirão e me deixado para trás para morrer sozinho naquele lugar frio, contive a minha indignação e fui procurar o guarda do parque que me disse que ninguém podia subir para o terreirão pois ele estava fechado por tempo indeterminado!

Depois descobri que ele estava fechado somente naqueles dias pois estavam fazendo uma obra de melhoria, esse pessoal de parque tem uma mania de usar a palavra indeterminado para tudo, só para causar panico mesmo!

Retornei para o acampamento e me lembrei que o Chico tinha falado que ia com o pessoal até o acampamento do Vale Encantado, muito interessante!

Segui a estrada e fui até a cachoeira de baixo e o Chico estava lá sentado, olhou para minha cara e disse: Uai, pensei que você já tinha vindo, por isso vim sem você!

Claro, eu tenho essa característica de abandonar o guia da trilha no acampamento e ir explorando a região sozinho! kkkkkk








Depois de passar algum tempo, subimos novamente a estrada e entramos em uma pequena trilha em direção a cachoeira do Vale Encantado, eu não acreditei quando vi um povo nadando no poço, aquele frio de roer os osso e a galera se molhando, daquela água eu queria distância e não me arrependi quando resolvi enfiar a perna no poço e parecia que eu não tinha mais os pés, ficou anestesiado de tão gelada que estava aquele negocio! 






Ficamos no Vale Encantado a tarde inteira e quando percebi já eram quase 17:00, retornamos para o acampamento e eu finalmente pude arrumar as coisas de forma mais adequada, preparei a comida e já deixei pronto o material para a janta e posteriormente para a ceia que tinha que ser bem reforçada para me deixar bem durante a caminhada noturna ate o pico.

Arrumei a mochila de ataque, minha fiel Ozark Trail, companheira inseparável! 

Deixei pronta toda a roupa, 1º e 3º camada na ordem certa de retirada, me planejei para começar a trilha somente com a 2º camada na parte da perna e 1º camada na parte superior e assim eu fiz!

Me arrependi amargamente pois o frio estava tanto, não pude fazer nada pois meu plano de ação não incluía ficar semi nu no mato a noite! 

Meia noite em ponto e saímos do tronqueira com destino ao Terreirão, foi uma trilha muito agradável, eu fiquei com um medo terrível da bateria da lanterna esgotar, estava com a reserva na mochila mas, eu não fazia ideia de como seria para trocar a bateria à noite no mato, e minhas pernas estavam congelando, e eu tenho certeza de que, quando uma pessoa tem alguma parte do corpo congelando ela não apresenta nenhuma capacidade para trocar bateria de lanterna.

Mas isso era fruto da minha paranoia, as mesmas baterias estão na lanterna até hoje (Fev/2019)

Enfim, chegamos no Terreirão, eu estava pisando em uma coisa crocante com meu pé dormente de frio, quando eu olhei era gelo, a grama estava congelada!

Tem uma gíria muito popular que as pessoas falam quando ficam chocadas com alguma coisa, e assim: C ta doido!

Eu falei isso quando vi aquele gelo todo!

Fui imediatamente para o banheiro para colocar as outras camadas, tirei a calça da 2º camada para poder colocar a da 1º camada, sentei na pedra de ardosia que tinha lá e minha bunda acabou de congelar instantaneamente, eu me levantei no susto e comecei a me contorcer de frio, não pensei 2 vezes e sentei em cima da mochila, foi um alivio que se tornou um pesadelo depois, mas, uma coisa de cada vez!

Coloquei a 1º e a 3º camada na parte inferior e mantive a mesma configuração na parte superior, eu vi que estava escorrendo uma água lá no cantinho mas não dei atenção!

Ficamos parados lá por aproximadamente 50 minutos e quando deu 4:00 seguimos para o ultimo ataque, o tão esperado pico da bandeira!

Agora eu estava quentinho e feliz, concertei as roupas, coloquei a certa e tudo estava bem!

Chegamos ao pé do bandeira as 5:20 e o sol estava programado para nascer às 06:28 faltavam apenas 800 metros para chegar no pico e resolvi ficar lá pois no topo o vento estava muito forte e associado ao frio, vira um maçarico de gelo na cara, e eu com certeza não queria aquilo.

Desliguei minha lanterna e fiquei aguardando, o frio começou a apertar e eu estava pensando em colocar o fleece que e a 2º camada de roupas mas não coloquei, assim que eu vi um pedacinho da hora dourada eu decidi subir completamente no pico, e eu estava certo, o maçarico de gelo estava castigando lá, joguei as coisas no cão e saquei da mochila o fleece.


Me vesti com as 3 camadas e estava quentinho novamente.


Eu estava morto de sede e resolvi tomar água!

Pois e, lembra do pesadelo que eu falei? Quando eu me sentei na mochila la no terreirão eu fiz a água do saco de hidratação jorrar para fora, ai eu já fique aborrecido por está com sede! 

A hora dourada finalmente apareceu, o sol estava a caminho e tinha o mar de nuvens para alegrar ainda mais a minha falta de sorte de está com sede! 




Espetaculo de nascer do sol







Espetáculo, isso nunca vai sair da minha mente, foi algo muito lindo de se ver!